Juiz de São Paulo é afastado por ligações com o PCC

E-mail Imprimir PDF


Dayanne Sousa

Juiz da 1ª Vara da Família do Tatuapé, Alberto Amorim Micheli foi afastado do cargo pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, por causa de ligações com o crime organizado. A informação foi publicada no jornal Tribuna do Direito e confirmada pelo Tribunal, nesta terça-feira (14), em consulta de Terra Magazine.

A reportagem cita possíveis relações da ex-mulher de Micheli, a advogada Suzana Miller Volpini, com pessoas suspeitas de fazerem parte do Primeiro Comando da Capital (PCC). O Ministério Público denunciou Suzana por formação de quadrilha e falsidade ideológica.

No texto da denúncia, o procurador afirma que Suzana cobrava para atender a pedidos de detentos. "A paciente, segundo a peça acusatória, teria sido cooptada pelo bando, de cujos interessados, individualmente, ou da própria organização criminosa, receberia honorários."

No caso contra Micheli, o Judiciário investiga se o juiz foi beneficiado pelas atividades ilícitas de que é acusada Suzana.

Há no TJ de São Paulo um processo contra Micheli por Exceção de Suspeição, que significa pedido de afastamento por considerar que o juiz não está hábil a exercer suas tarefas como, por exemplo, quando há fatos que podem prejudicar a sua imparcialidade. O processo, porém, corre em segredo de Justiça.

Já Suzana obteve na Justiça o trancamento da ação em que respondia por formação de quadrilha. Em março, tentou impedir também o prosseguimento da ação por falsidade ideológica, mas não obteve sucesso. Segundo o Ministério Público, ela teria praticado falsidade ideológica ao usar o nome de solteira para entrar num presídio como amante de um detento quando ainda era casada com Micheli.

Fonte: Portal Terra

 

Pesquisa

Links

 

 

Sites para advogados

Entre em contato para conhecer as soluções ideais de site, e-mail e hospedagem para seu escritório de advocacia:

 

adv@dcestudio.com.br

Newsletter

Receba nossos informativos: