CARTA ABERTA AOS ADVOGADOS E ADVOGADAS CRIMINALISTAS

E-mail Imprimir PDF

CARTA ABERTA AOS ADVOGADOS E ADVOGADAS CRIMINALISTAS DO ESTADO DE SP

 

* Roberto B. Parentoni - Advogado Criminalista 

‚ÄúAlgumas qualidades s√£o essenciais e, segundo Manoel Pedro Pimentel, ao Advogado Criminalista cabe: ‚Äúcoragem de le√£o e brandura do cordeiro; altivez de um pr√≠ncipe e humildade de um escravo; fugacidade do rel√Ęmpago e persist√™ncia do pingo d‚Äô√°gua; rigidez do carvalho e a flexibilidade do bambu‚ÄĚ.


Eu sou advogado criminalista militante desde 1991 e é sempre com orgulho que analiso a frase de Manoel Pedro Pimentel com a qual iniciei esta carta aberta. A advocacia criminalista é especialíssima e requer daqueles que a professam qualidades também especiais.


Dirijo-me, nesta oportunidade, aos colegas advogados e advogadas criminalistas que, com competência e sabedoria, materializam essa atitude, à qual alude o nobre causídico, e partem para a defesa de seus clientes com dedicação e coragem. Dirijo-me a vocês na tentativa de sensibilizá-los e mobilizá-los rumo à construção de uma OAB mais atuante, eficiente e que nos faça sentir novamente orgulhosos de nossa representação.


√Č fato que a maioria dos advogados e advogadas do estado de S√£o Paulo est√£o insatisfeitos com a atua√ß√£o da OAB/SP. Quando pensam na OAB, sentem-se tristes e desapontados.


Neste ano tenho a grata oportunidade de poder participar de uma campanha à Presidência da OAB/SP, representada pela Dra. Rosana Chiavassa, e envolver-me mais ampla e efetivamente para transformar uma situação, pois também me sinto triste e desapontado.


Por ignor√Ęncia, ainda pensamos que a nossa felicidade, sa√ļde, sucesso e prosperidade dependem de uma a√ß√£o externa a n√≥s. Transferimos a responsabilidade ao outro, sempre, mas as mudan√ßas dependem de n√≥s, de cada um de n√≥s.


Quem faz a OAB? Quem √© que, democraticamente, elege seus representantes? Quantos se importam em refletir, estudar e trabalhar, fazer o que est√° a seu alcance para que as coisas mudem? Quantos t√™m consci√™ncia da sua estrutura e import√Ęncia para a classe e para o Pa√≠s?


Reivindicar √© leg√≠timo, desde que conscientemente tenhamos a certeza de que fizemos a nossa parte para que essa institui√ß√£o, da qual somos uma parte ativa, que depende e precisa de n√≥s trabalhando, atentos, atinja a excel√™ncia nas suas a√ß√Ķes.


Assim como na cidadania não basta ser cidadão, temos de ser cidadãos ativos, na OAB também precisamos nos interessar por ela, por seus rumos, e agir.


N√£o sendo ativos, o ato de votar acaba tornando-se a mais popular express√£o da democracia e da cidadania e √© por n√£o compreendermos e n√£o empreendermos a cidadania ativa que por vezes acabamos votando, como dizem, ‚Äúerradamente‚ÄĚ. N√£o participamos, nos interessamos ou acompanhamos o processo.


Como resumo de parte do processo, podemos dizer que a OAB vai bem, financeiramente, graças às altas mensalidades que nos são cobradas. E que a Ordem dos Advogados do Brasil vem sendo comandada por homens a vida inteira, por criminalistas há pelo menos 9 anos e pelo mesmo grupo, há mais de 12 anos. E que estamos descontentes. E, ainda, que estamos perto de uma eleição na qual concorrem candidatos da situação e apenas uma candidata verdadeiramente de oposição.


Peço que se perguntem qual será a razão do seu voto nessa eleição. Pois, não cabe mais votar essencialmente sem refletir sobre o motivo que nos levou a votar neste ou naquele candidato.


Convido-os a conhecer a trajetória da Dra. Rosana Chiavassa, suas ideias e propostas para uma nova OAB e para todos nós.


Como homem que sou, não me sinto nem um pouco constrangido com o merecido direito das mulheres aos cargos de comando e, porque sou advogado criminalista, não penso que deva ser de criminalistas a supremacia no comando da nossa Ordem. A atitude da qual fala Manoel Pedro Pimentel deve servir também para decidir pelo bem de todos.


Penso que se de alguma forma as coisas não vão bem, e a maneira como estamos sendo representados e defendidos tem nos deixado tristes e desapontados, cabe a nós mudarmos os rumos da OAB/SP, refletindo, estudando e efetivamente, com reflexão e coragem, fazermos parte da história, promovendo a mudança que, acredito, se faz necessária.


Repito que, em minha an√°lise, a Dra. Rosana Chiavassa, mulher, advogada militante, representa neste momento a verdadeira oposi√ß√£o √† situa√ß√£o lament√°vel em que se encontra, para os advogados, a OAB/SP. √Č op√ß√£o e oportunidade de mudan√ßa que precisamos valorizar.


* Roberto B. Parentoni,  Advogado Criminalista militante desde 1991, fundador do IDECRIM - Instituto Jurídico Roberto Parentoni - e atual Presidente do IBRADD - Instituto Brasileiro do Direito de Defesa

 

Pesquisa

Links

Newsletter

Receba nossos informativos: